Capitulo 2

Capitulo 2

– Edward, filho, acorde… – Senti meu edredom sendo puxado.

– Mãe… só mais cinco minutos… – Coloquei o travesseiro sobre a cabeça.

– Esqueceu que hoje você tem aula? Ande, levante essa bunda daí.

Eu ri. Sentei-me e a puxei para a cama. Deitei ao seu lado e a abracei.

– Você andou fumando maconha? – Indagou.

– Só estou feliz! Qual é?! Não posso mais abraçar a melhor mulher do mundo?

– Ai meu bebê! – Beijou meu rosto. – Mas você não vai conseguir me entreter ok? Levantei daí.

 

Beijei sua testa e pulei da cama.

– Sim senhora! Mas… Oh merda!

– O que?

Sentei-me na cama e fiz careta.

– Hoje tenho aula de matemática, sinônimo de visão do inferno, Jacob Black.

– Pare de resmungar. – Esme levantou-se e caminhou até a porta – Eu e seu pai estamos esperando você para tomarmos café juntos.

– Beleza.

Tomei um banho, coloquei minha roupa.

– EDWARD, QUANDO DESCER TRAGA SUAS ROUPAS SUJAS! – Minha mãe gritou do corredor.

– OK!

Encontrei minha roupa de ontem. Coloquei minha camisa próxima ao meu nariz e senti o perfume embriagante de Bella. Eu havia ficado com ela a festa toda, mas no final, ela recusou-se a passar seu telefone e endereço.

– Eu preciso vê-lá de novo. – Sussurrei para mim mesmo enquanto saia do quarto.

[…]

Parei meu volvo no estacionamento da escola e sai do carro.

– Olha o pegador! – James socou meu ombro.

– Quem era ela Edward? – Alec indagou, referindo-se a Bella. – Nunca vi você passar uma balada toda com uma garota só…

– Pois é.

– Ela era muito gostosa! – James murmurou. – Eu pegava!

Bufei.

– Hei, Tânya está cuspindo fogo. – Alec gargalhou enquanto acenava com a cabeça para o grupo de líder de torcidas, Tânya me encarava com cara de choro.

– Não devo nada a ela. – Dei de ombros.

Adentramos na escola e seguimos para o prédio C. Entramos na sala e para a minha total infelicidade, Black já estava lá.

Acompanhei meus amigos até o fundo da sala.

– Bom… – Jacob pegou uma pilha de provas – Eu já corrigi as provas, tivemos notas altas e… – Olhou para mim com um sorriso debochante – Baixas.

– Olha minha cara de preocupado… – Apontei para meu rosto.

Todos riram.

– Você deveria ficar muito preocupado, pois se reprovar em minha matéria ficara mais um ano aqui, comigo.

– Estou pouco me lixando. – Sorri. – E você deve adorar isso né, não consegue viver sem mim.

Jacob me olhou irritado, mas não rebateu, caminhou para frente e passou a entregar as provas, quando chegou a mim, parou e sorriu.

– 19 anos, no terceiro ano e mais um F para sua coleção… – Colocou a prova sobre minha mesa. – Você nunca vai deixar de ser essa criança…

Trinquei os dentes. Eu odiava ser taxado como criança.

Levantei-me, fazendo a cadeira cantar contra o piso, produzindo um som e chamando a atenção de todos.

– Eu posso ser mais homem que você! – O encarei.

– Sou seu professor e exijo respeito.

– Se você quer respeito, aprenda a respeitar, e isso… – Peguei a prova e a amassei – Foda-se.

Puxei meu caderno e sai da sala.

 

POV Bella

 

 

Caminhei até a cozinha e coloquei água para ferver.

Sentei-me na cadeira e bocejei. Eu ainda estava com a roupa que usei ontem. Coloquei meu rosto em meu ombro e puxei o ar. O perfume de Edward estava impregnado no tecido da minha blusa. Admito que quase o convidei para conhecer minha casa, meu quarto… Simplificando, meu corpo. Mas era algo errado, o rapaz tinha só 19 anos, o que iam pensar? Que eu sou pedofola! Ok, ele não é criança – muito menos tem um corpo de criança – mas não daria certo…

– E porque raios estou pensando nisso?

Passei meu café e fui me sentar em minha sala. Meu celular tocou, olhei no visor e bufei.

– Oi Alice.

– Bella! – Alice gritou – Me.Conta.Tudo! Quem era o cara que você estava dando uns amassos? Ele era gostosinho… e OMG ele é super estilizo você viu a roupa que ele estava usando? Ai Meu Deus ele está ai? Você deu pra ele? Ele fez gosto…

– ALICE! – Berrei fazendo-a parar de falar. – Respira.

– Ok.

– O cara se chama Edward, ele era gostoso sim, nem reparei na roupa que ele estava usando, e não, ele não está aqui, e eu não dei pra ele! – Respondi todas suas perguntas.

 

– Por quê? – Indagou desapontada.

– Alice ele só tem 19 anos!

– Ah… – Fez-se silêncio – E daí?

– Alice! – Revirei os olhos – Você acha que eu transaria com ele? No primeiro dia que o conheci?

– Ai Bellinha você é muito… certinha.

– Garotos da idade dele só querem transar por diversão.

– Está certo ele, acho que você devia fazer o mesmo.

– Você sabe que eu não sou assim…

– Mas era!

– Falou certo, eu “era” agora não sou mais.

– Ok, vou desligar, to a fim de fazer uma coisinha para o Jazz, to pensando em fazer um bo…

Desliguei o telefone e ri. Alice era louca, fato.

Liguei meu notebook e entrei em minha página de relacionamento. Curiosa, cliquei em pesquisar e digitei “EDWARD CULLEN”

Apareceram vários usuários e comunidades com nomes similares, mas uma dessas comunidades me chamou atenção. Ela continha uma foto de Edward dando um sorriso torto. Quando vi o nome revirei os olhos.

“EU JÁ BEIJEI EDWARD CULLEN”

A comunidade tinha 256 membros, e todas eram meninas de 15 á 19 anos.

– Adolescentes… – Ri.

Fechei meu orkut e abri meu e-mail. Minha caixa de entrada estava lotada de e-mails mas uma delas me chamou atenção. “Jacob Black”

Cliquei no e-mail e esperei abrir.

“Bells, quando poderemos nos encontrar para conversarmos, sinto saudades…”.

Fiz careta e respondi.

“Sem chance Jake, não temos mais nada para conversar”.

Jacob e eu éramos namorados, mas ele sempre fora muito infantil em nosso relacionamento, então, por um motivo terminamos, e isso já faz 2 meses, mas desde então ele não saiu mais do meu pé.

Respondi uns e-mails da minha mãe e fui me deitar. Eu estava morta de sono. Deitei-me na cama e fechei os olhos, cenas da noite passada voltaram a passar em minha cabeça.

 

 

POV Edward

 

 

 

 

Entrei em casa e encontrei meus pais sentados no sofá, para a minha infelicidade, hoje era folga dos dois.

– Edward pode se sentar? – Meu pai apontou para a poltrona.

– Olha se for sobre o ocorrido na escola, eu sou inocente.

– Edward você acha que é legal discutir com o professor?

Fiquei em silêncio, eu não brigaria com meus pais, eu sabia que eles estavam certos.

– Filho você nunca pensou em ir mais além? – Minha mãe segurou minha mão – Nunca pensou em se formar? Ter sua profissão? Casar-se? Construir uma família? E principalmente, ser independente?

– Claro que penso.

– Edward, você nunca conseguirá nada disso com essas atitudes infantis.

– Eu não sou criança! – Fechei os olhos reprimindo a raiva.

– Mas age como tal. – Carlisle se levantou e sentou-se ao meu lado. – Garanto que você não quer ficar no ensino médio para sempre.

– Não…

– Aposto que quer algo melhor para si.

– Claro.

– Então tome um rumo… – Minha mãe também veio se sentar ao meu lado. – Faça o que é certo para conseguir melhorar, ande com pessoas descentes, pessoas que são dignas, pessoas que são seus amigos de verdade que te apóiam e não o prejudique.

– Vocês não entendem! – Levantei-me – É claro que eu quero algo melhor para mim, mas é impossível sair do colegial quando se tem aula com um professor que você odeia e que te odeia.

– Deixe isso conosco. – Minha mãe sorriu. – Mas precisamos da sua ajuda para isso, você concorda em colaborar?

– Sim.

– Ótimo! – Carlisle tocou meu ombro – Agora tome um banho, se não me engano você tem treino.

– Acho melhor eu não ir.

– Por quê?

– James e os outros estarão lá.

– Quando eu disse para você andar com amigos de verdade não quis dizer que parasse de falar com esses garotos, só quero que mantenha um pouco de distancia e ande com pessoas… responsáveis.

– Tudo bem. – Puxei minha mãe pela cintura e a ergui no ar.

– Ponha-me no chão agora Edward Anthony Masen Cullen. – Socou meu ombro.

– Amo vocês! – Toquei o ombro do meu pai e beijei o rosto da minha mãe.

Subi para o meu quarto, e quando deu 15h30min fui para o treino. Corri para o campo e avistei todos lá.

– MAIS RÁPIDO! – O Treinador Swan exigia, enquanto alguns jogadores corriam entre os cones. – Se vocês tiverem esse mesmo entusiasmo para transar… coitada das meninas.

Eu ri. Emmett Swan era uma figura, em todo treino ele soltava uma perola.

Eu e ele éramos amigos a um bom tempo, e às vezes saiamos juntos, mas ele ficou noivo então essas saídas ficaram mais difíceis.

– ANDE EDWARD, MEXA ESSA BUNDA PRA CÁ.

Cumprimentei meus colegas e passei a me aquecer.

[…]

– O treino foi ótimo, daqui duas semanas enfrentaremos nossos rivais, em Port Angeles, ou seja, na escola deles.

– Vai ser FÁCIL! – Jhonny gritou. Todos rimos.

– Emmett…

A voz veio de trás, e eu sabia quem era.

Virei-me para encarar Black, que estava parado a alguns metros com sua pose de viado.

– O que quer? – Emmett franziu a testa.

– Falar com ele… – Apontou para mim.

– Sobre? – Me aproximei de Jacob.

– Sobre você estar prejudicando meu trabalho… – Deu alguns passos em minha direção. – Seus pais reclamaram de mim para a diretoria. – Apontou o dedo em meu rosto.

– Não aponte esse dedo nojento para mim. – Empurrei o braço dele.

Emmett entrou entre nos e encarou Jacob.

– Black, você não tem o direito de atrapalhar meu treino e ameaçar aluno meu.

– Emm, você está levando isso para o lado pessoal.

– É isso ai, você perdeu minha amizade quando agiu como um imbecil.

– Vou embora – Jacob recuou – Depois conversamos Edward.

– Estarei aguardando.

Emmett virou-se rindo.

– O que você fez a ele? – Perguntou.

– Ele nunca foi com a minha cara, muito menos eu com a dele.

– Black é um idiota, ele namorava minha… – Seu sorriso desmoronou. – Oh merda, esqueci que prometi ir à casa da minha irmã. – Bateu a mão na testa. – EI TIME, NOS VEMOS QUARTA-FEIRA! – Correu para a porta de saída do campo.

Peguei minhas coisas e fui para o estacionamento, enquanto abria a porta do meu volvo, ela foi segurada.

– Ei Edward, que tal ir com a gente lá para a rua de trás? – James balançou o pacotinho de pó branco.

Encarei o saquinho em sua mão e reprimi a vontade de dizer sim.

– Desculpa cara, preciso ir para casa.

James me olhou surpreso.

– Ok, nos vemos depois.

Entrei no carro e sai dali. Eu não era viciado, mas já havia usado cocaína diversas vezes. Mas eu havia prometido a minha mãe e eu não seria capaz de desaponta-lá, eu prometi, e eu vou mudar.

 

POV Bella

 

 

 

– Por que desligou o telefone na minha cara? – Alice colocou a mão na cintura e bateu os pés no chão.

– Porque você ia contar o que ia fazer com Jasper. – Apontei pro loiro – Não to a fim de ouvir suas promiscuidades.

– Eu só disse que ia fazer um bo… – Alice começou a falar, mas eu tampei sua boca.

– AI! – Choraminguei sentindo o local que ela mordeu doer.

– Eu só fiz um bolo pra ele. – Revirou os olhos.

Joguei-me no sofá e ri.

– Aonde seu irmão se meteu? – Rosalie estava bufando.

– Em você… – Zombei.

– Cheguei! – A porta da minha casa foi aberta e por ela passou meu irmão.

– Você demorou! – Joguei uma almofada nele.

– Onde estava?

– Dando treino amor. – Deu de ombros. – E ajudando um amigo…

– Por quê? – Jazz indagou.

– Porque eu to a fim de dar uns socos no Black.

Revirei os olhos.

– O que ele fez? – Alice perguntou.

– Estava querendo arrumar briga com meu melhor jogador.

 

– Jacob batendo em crianças… – Ri – Bem típico dele.

– Vamos parar de falar sobre fezes e vamos assistir ao jogo! – Alice ligou a tevê

– Os garots vão arrebentar! – Jazz jogou os braços para o ar.

– Isso é tão injusto. – Emm choramingou – Só eu torço para os Red Balls aqui.

– Claro! Só você é idiota! – Provoquei.

– Amor, eu faço tudo por você… – Rosalie sentou-se ao lado de Emm, no sofá. – Menos torcer para esse time.

– Vou ligar para meu brother, ele vai vir me apoiar.

– Ou te consolar.

– Veremos… – Pegou seu celular e discou um numero.

 

POV Edward

 

 

 

Enrolei-me em minha toalha e sai do banheiro. Parei em frente ao espelho.

– Está na hora de crescer! – Falei para o bonitão do espelho – Vamos mostrar para eles que podemos ser muito melhor.

Sorri. Caminhei até minha cama e soltei o nó da minha toalha.

– Edward, filho… – Minha mãe abriu a porta sem bater.

– Mãe! Estou me trocando! – Cobri minha parte intima com as mãos.

– Não tem nada que eu nunca tenha visto ai antes. – Piscou – Só vim avisar que eu e seu pai já temos a solução para o seu problema.

– Ok, deixe-me sozinho – Pedi.

Ela olhou meu corpo e fez careta.

– Lembro-me daqueles tempos que seu pai não era caído.

Joguei a cabeça para trás e gargalhei.

– Eu o que? – Carlisle entrou em meu quarto.

– Serio que vocês vão ficar discutindo isso aqui? Na minha frente?

– Não! – Carlisle puxou minha mãe pela cintura. – Vamos discutir isso lá no nosso quarto. – Arrastou ela para fora do meu quarto – vou te mostrar o que está caído…

– Estou doida para ver…

Fechei a porta e ri.

– ISSO É TRAUMATIZANTE! – Gritei. Pude ouvi-los rir.

Eu achava lindo o amor que meus pais concretizaram, depois de anos ele ainda se amavam incondicionalmente.

Caminhei novamente até minha cama e coloquei minha roupa.

Meu celular virou sobre o criado mudo, me joguei na cama e o peguei. Era Emmett.

– Fala mano. – Atendei. Esparramando-me na cama.

– Ei fera que tal assistir ao jogo comigo?

– Que jogo?

– Cara, clássico hoje, Garots x Red Balls.

– Porra, sério?! – Indaguei surpreso. – Eu me esqueci.

– Então, é que todos aqui torcem para o outro time, preciso de alguém para comemorar comigo.

– Claro Emm!

– Ok, anota o endereço ai.

Peguei uma folha na gaveta e anotei o endereço.

– Com que roupa vou? – Perguntei.

– Que pergunta mais… gay – Riu

– Sei lá, tem alguma mulher gostosa para mim, ai?

– Tem a Rosalie, mas ela já é minha – Riu – Tem minha irmã, mas ela não é gostosa… – Gargalhou – Ai porra vai bater na mãe – Esbravejou com alguém.

– Ok. Pode ser sua irmã.

– Hahá… Minha irmã é muita areia para o seu carrinho de mão. Vem logo viado.

– Falou, já estou indo.

Desliguei o celular e entrei no meu closet.

[…]

Olhei-me no espelho. Eu estava gostoso. Dobrei minha camisa até os cotovelos e abri alguns botões.

Achei melhor não ir avisar meus pais, eu poderia presenciar ou ouvir coisas que me atrapalharia em momentos bons.

Deixei um bilhete na porta da geladeira e fui para a garagem.

 

POV Bella

 

 

– Você merece mais do que isso! – Levantei a mão para Emmett.

– Fica calma mana, eu só estava brincando. É claro que você é gostosa.

– Emmett! – O repreendi.

– Mulheres… – Revirou os olhos – Quando eu digo que você não é gostosa, você briga. Quando digo que você é gostosa, você também briga. Só podem ser doidas mesmo.

– Vou subir, preciso tomar um banho. – Falei já subindo as escadas.

– BELLA, MEU AMIGO NÃO FAZ O SEU TIPO! – Emm gritou.

Não respondi, entrei em meu quarto e fui para o banheiro.

– Como se eu fosse doida de ficar com algum amigo de Emmett.

[…]

Enquanto descia as escadas, a campainha tocou ninguém levantou a bunda do sofá para atender a porra da porta.

– Ah, nem se importem, eu atendo… – Ironizei.

Caminhei até a porta e a abri. Pisquei várias vezes, para ver se não estava sonhando. Por impulso fechei a porta novamente e encostei-me nela.

– Quem era? – Emmett se aproximou.

– Eu.vou.te.matar! – Ameacei.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: