Capitulo 8

Capítulo 8 – Proposta

Desci as escadas e encontrei meu pai na sala.

– Pai? – Eu o chamei, enquanto me sentava ao seu lado no sofá.

– Sim, filho? – Ele ergueu os olhos do jornal.

– Pra onde você leva a mamãe quando quer impressioná-la?

Ele riu.

– Tirando o nosso quarto… – Mordeu os lábios, pensativo – Eu a levo em um restaurante, por quê?

– Por nada. – Dei de ombros.

A idéia de levar Bella para o quarto era tentadora, mas eu queria impressioná-la, não excitá-la.

– Quem é ela?

Olhei-o, surpreso.

– Ela quem?

– Sua mãe comentou comigo que você dormiu fora ontem. – Carlisle dobrou o jornal e o colocou na mesinha de centro – E que, por algum milagre, ligou para ela avisando.

– Aaaahh… – Cocei a cabeça – Bem, não é nada sério…

– Você nunca vai tomar jeito? – Ele falou indignado.

– Não é isso pai, é que… Bem, é difícil de explicar… Digamos que não somos… não somos feitos um para o outro, e a sociedade critica relacionamentos assim.

– Ah… – Meu pai suspirou – Você sabe, sua mãe e eu somos bem tolerantes, se “ela” for “ele”, nós vamos aprender a conv…

– NÃO! – Me levantei indignado – “Ela” é “ela”!

– Filho, eu sei que no começo é difícil para você assumir, mas…

– PAI, EU NÃO SOU GAY!

Carlisle relaxou no sofá.

– Certo… Então, qual é o problema?

– Talvez um dia você saiba. – Toquei seu ombro – Agora preciso sair.

– Ok.

Saí de casa e fui para a casa de Bella, nós precisávamos conversar.

POV Bella

Eu estava terminando de pôr meu sutiã quando a campainha tocou. Enrolei-me em uma toalha e desci para ver quem era.

Abri a porta, dando de cara com Edward.

– Oi… – Ele sussurrou enquanto seus olhos desciam por meu corpo – Eu… eu… nós… droga!… Podemos conversar?

– Ah… claro… – Escondi meu corpo atrás da porta – Entre, irei me trocar e volto em alguns minutos.

– Ok.

Abri a porta para que ele pudesse passar.

– Fique a vontade.

Subi as escadas sentindo seus olhos em minhas costas. Entrei em meu quarto, peguei um vestido que estava sobre minha cama e o vesti.

Voltei para o andar de baixo, encontrando Edward sentado no sofá.

– Pronto. – Mordi os lábios um pouco nervosa.

O que ele queria? Conversar sobre o que rolou entre nós?

– Me desculpa por ter vindo sem avisar. – Ele passou as mãos pelo cabelo e riu – Na verdade nem tem como eu te avisar, não tenho seu número.

– Oh, sem problemas. – Ri. Apertei uma mão na outra e me sentei na outra ponta do sofá. – Sobre o que quer conversar?

– Eu não sei o que fazer, nem o que falar. – Ele respirou fundo – Bella, eu nunca tive um relacionamento com nenhuma mulher, não sei como é namorar e não sei se eu quero isso, mas… – Sua mão tocou meu rosto – Eu gostei muito do que rolou entre nós, e, sinceramente, quero muito que volte a acontecer – Fiquei sem palavras, ele estava me propondo sexo sem compromisso?! – Como você mesma disse, eu sou imaturo, já você, bem… você é uma mulher decidida e que já namorou vários cara por aí. Eu não estou pronto para um relacionamento, talvez daqui algum tempo… Mas fique sabendo que serei maduro o suficiente para aceitar sua decisão.

Mordi os lábios.

– Nem sei o que falar… – Suspirei – Nunca fui garota de “Sexo sem compromisso”… Mentira, teve uma fase minha na faculdade, mas…

– Eu já falei. – Edward segurou minha mão – Estou pronto para aceitar a sua decisão.

Certo, como já havia dito, nunca fui mulher de transar com caras que eu não tivesse um relacionamento fixo, mas talvez Edward madurecesse e… Droga, eu realmente queria muito tê-lo em minha cama novamente.

– Eu também gostei muito do que aconteceu, Edward, e… bom, acho que também quero que aquilo volte a ocorrer.

Ele sorriu radiante.

– Você acha? – Riu – Não tem certeza, então?

– Pensando nas conseqüências… Não, eu não tenho certeza.

– Deixe-me te convencer então, professora… – Sua mão subiu por meu braço até minha nuca onde seus dedos se prenderam em meus cabelos. Sua boca roçou na minha, a ponta de sua língua percorreu os cantos dos meus lábios e logo em seguida a colocou em minha boca – Então professora?… Aceita?

– Não me convenceu o suficiente… – Sussurrei contra sua boca.

– Certo.

Os lábios de Edward deixaram os meus e escorregaram por minha bochecha, chegando ao lóbulo de minha orelha.

– Droga… – Mordi os lábios contendo um gemido.

– Acho que estou te convencendo.

– Não está, não.

– Então porque está gemendo?

Coloquei minha mão em seu peito e o afastei.

– Isso está horrível. – Menti – Será que tenho que te ensinar tudo?

– Ok, professora – Edward projetou seu corpo para cima do meu, fazendo com que eu me deitasse no sofá e ele se deitasse sobre mim.

Joguei minha cabeça para trás dando espaço para que aqueles deliciosos lábios saboreassem minha pele. Enrolei meus dedos em seus cabelos, puxando-o para mim. Uma de suas mãos escorregou pela lateral de meu corpo e infiltraram-se em meu vestido, percorrendo toda a parte interna da minha coxa até chegar a meu centro e me tocar sobre o pano de minha calcinha.

– Que coisa feia, professora… – Edward mordeu minha boca. – Sabia que é feio mentir?

– Não… Não estou… – Gemi -… Mentindo.

– Tsc… tsc… tsc… tsc… – Ele negou, empurrou minha calcinha para o lado me penetrando com um de seus dedos – É impossível não estar gostando… Você está tão molhada… Quem mente merece ser castigado, sabia?!

Merda, aquele garoto ia me fazer gozar com aquela voz rouca em meu ouvido e seu dois dedos me estocando.

Escorreguei minhas mãos por seu peito e as desci para o cós de sua calça tratando de abrir o feixe, descer o zíper e abaixar a peça até sua coxa.

– Professora safada! – Acusou tirando sua calça com os próprios pés, sem parar o movimento de seus dedos em meu interior. Rodei meu quadril, buscando mais prazer, mas Edward diminuiu o ritmo passando a entrar e sair de mim lentamente.

Tão cedo, ele se afastou, retirou seus dedos de mim e apoiou um joelho de cada lado do meu corpo.

– Que tal a gente estudar um pouco? – Sugou seus dedos, que há segundos atrás estavam em mim. – Mas não matemática, eu tava pensando em… anatomia.

– Ótima idéia.

Edward tirou sua camisa, deixando a mostra aquele corpo gostoso, logo depois pegou meu vestido e o ergueu. Arqueei as costas para ajudá-lo a retirar a peça. Seus olhos fixaram-se em meus seios.

– Você tem algum tipo de tara por seios? – Indaguei, levando minhas mãos ao feixe lateral da peça e a arrancando.

– Tenho. – Confessou, lambendo os lábios – Tenho uma tara pelos seus seios. Posso brincar um pouco com eles?

– Só um pouquinho.

– Só um pouquinho – Concordou abocanhando meu seio esquerdo, seus dedos brincavam com o bico do outro. Edward sugava com desejo e graciosidade.

– Céus… – Gemi – Que boca gostosa, garoto.

– Essa mesma boca estará em cada parte desse seu corpo gostoso. – Sua língua escorregou por entre meus seios passando por minha barriga – Mas não hoje, professora, passei a noite toda sonhando que eu estava dentro de você, como naquele dia… – Sua boca voltou a subir por minha barriga, mas ele pulou meus seios e me encarou. – Quero entrar em sua gruta molhada e apertada, estou louco para me enterrar em você…

Edward pressionou sua ereção em mim.

– Vem então, garoto… – Abri minhas pernas e o enlacei pela cintura – Mete bem fundo.

Um sorriso sacana tomou seus lábios.

– Eu vou, Bella.

POV Edward

Não demorou muito para que o resto de nossas roupas estivessem no chão daquela sala. Meu corpo e o de Bella estavam entrelaçados naquele pequeno sofá, joguei meu quadril contra o seu, fazendo-a gemer, assim como eu.

– Oh, Edward…

Eu estava fora de mim. Novamente, aquela mulher estava me fazendo perder o controle.

– Aceita? – Insisti. No percurso de minha casa até a de Bella, vim bolando um modo de pedir que ela ficasse comigo. Eu sabia que uma mulher como ela não iria querer namorar como um garoto como eu (pois é, até eu estou admitindo ser um garoto), mas eu queria que aquilo que rolou entre nós voltasse a se repetir, e, sinceramente, eu não estava pronto para um relacionamento. A palavra “namoro” sempre me causou arrepios, talvez com os dias isso mudasse. – Aceita ficar comigo?

– Droga. – Ela mordeu os lábios e apertou meus ombros – Eu aceito, garoto.

Sorri. Aquela resposta fez meu coração disparar, a felicidade me inundou.

Os movimentos de nossos corpos se intensificaram. Abaixei meu rosto e capturei seus lábios, beijando-a ardentemente.

– Obrigada. – Apertei seu quadril – Você não vai se arrepender.

Ficamos mais um tempo com aquela dança de corpos, até que atingimos o extremo.

Aquela mulher estava me mostrando novas sensações. Não era exato como a matemática, era algo que se intensificava a cada toque e beijo.

Caí exausto sobre ela, seus braços me abraçaram. Ficamos em silêncio, apenas controlando nossas respirações.

– Quanto fôlego… – Bella riu, quando sentiu meu membro se enrijecendo entre suas pernas.

– Culpa sua! – Acusei, erguendo o rosto para olhá-la.

Bella mordeu os lábios e fechou os olhos.

– Você está ciente da nossa situação, certo?

– Não quero conversar sobre isso agora.

Ela abriu os olhos novamente.

– Edward…

– Sem essa, Bella. – Me sentei e passei a mão por meus cabelos – Não estrague esse momento, está tudo maravilhoso.

Ela assentiu.

– Tudo bem. – Ela também se sentou – Já almoçou?!

– Não. – Dei de ombros.

– Certo, vou arrumar algo para nós.

[…]

Tenho que dizer, eu sou o cara mais sortudo do mundo. Por quê? Bem, eu tinha a professora mais gostosa do mundo.

Ri do meu pensamento. Rodei a caneta na carteira e ergui meus olhos quando Black entrou na sala. Eu estava confiante, havia estudado e tenho certeza que me saí bem na prova.

– Quem tirou de quatro para baixo deve me devolver a prova. – Jacob falou, enquanto começava a distribuir as provas.

– Mais um zero para a minha coleção. – James riu, amassando a prova e a jogando no lixo. – E você, Edward?

– Não sei, ainda.

Jacob parou na frente da minha carteira e colocou a prova sobre minha mesa. Inclinei-me para olhar a minha nota.

– Que porra é essa? – Ergui a prova para ele – Porque a nota sete está riscada e tem um enorme zero do lado?

– Quem cola, ao contrario do que você pensa, não sai da escola.

– Eu não colei! – Me levantei da cadeira – Eu estudei para essa prova!

Por que todo mundo riu?

– Você… estudou?! – James arqueou as sobrancelhas.

Eu suspirei.

– Sim, eu estudei.

– Cullen. – Jacob falou, enquanto caminhava de volta para sua mesa e virava-se para me olhar – Ângela está sentada na sua frente, é fácil erguer os olhos e copiar.

Peguei meu caderno e sai da sala. Frustrado e humilhado com aquela situação, caminhei até a diretoria.

POV Bella

– SIM! – Eu exclamei.

– Ai meu Deus, diz de novo. – Alice quicou no sofá – Você e Edward estão o que?

– Não é bem um namoro. – Dei de ombros e gesticulei com as mãos – Ele ainda acha que não está preparado para isso.

– OMG! – Rimos. – Vocês já… você sabe, dormiram juntos?

– Sim. – Mordi os lábios contendo um gemido – O garoto é uma máquina.

– OMG!

– Alice, chega de OMG’s.

– Mas… OMG!

– É, eu sei. – Ri – Eu também só conseguia pensar nessa palavra quando o garoto tirou a roupa.

– Ai meu Deus.

Ri, meu celular – que estava sobre a mesa de centro – começou a tocar.

– Só um minuto, Alice.

– Tudo bem.

Peguei o celular e arqueei as sobrancelhas.

– Algum problema? – Ela perguntou.

– Não… eu acho. – Atendi o celular – Edward? Algum problema? Você não devia estar na escola? Porque está me ligando?

– Bella respira! – Ele riu – Está parecendo minha mãe.

– Porque está me ligando, sentiu saudades? – Brinquei.

– Também. – Eu podia imaginar ele sorrindo – É que… Bem, eu estou com um pequeno problema, mas minha mãe e meu pai estão no hospital.

– Deixe de enrolar, fale logo!

Ele suspirou.

– Você pode vir na escola? Estou na diretoria e tenho que provar que estou tendo aulas de matemática.

– Porque isso?

– Bem, eu tirei sete na prova e o maldito professor me deu zero. – O tom de sua voz havia mudado de dócil para irritada.

– Mas porque ele fez isso?

– Disse que me conhece e que eu colei.

– Que desgraçado.

– Concordo plenamente. – Ele suspirou – Me desculpe estar te incomodando, se não puder vir, não há problemas, eu dou um jeito e…

– Deixe de bobeira. – Ri – Estou indo pra aí.

– Obrigada.

– De nada. Vou desligar, tenho que me arrumar.

– Certo, até logo.

Fechei o aparelho e me virei para Alice, ela já estava de pé sorrindo.

– Você é professora, amante ou babá?

Torci os lábios.

– Talvez as três.

POV Edward

– Quem você vai pagar para vir dizer que é sua professora? – Jacob sibilou, pelas costas da supervisora.

– Idiota! – Grunhi.

– O que falou, Sr. Cullen? – A velha enrugada virou-se para me olhar.

– Nada, Sra. Conner.

Ela suspirou.

– Ligou para seus pais?

– Eles estão trabalhando, mas faz dez minutos que liguei para minha professora, ela já deve estar chegando.

– Haja como homem e diga a verdade! – Jacob se levantou da cadeira – Diga que não há professora alguma.

Eu estava pronto para mandá-lo a merda, mas me surpreendi com Aro entrando na sala.

– O que está acontecendo aqui? – O diretor nos olhou.

Jacob sentou na cadeira e sorriu.

– Esperando a professora imaginária de Edward.

Estava pronto para responder, quando duas batidas na porta me interromperam.

Aro abriu a porta e sorriu.

– Querida, quanto tempo!

– Aro!

Bella entrou na sala abraçou o diretor Volturi. Black levantou-se e eu também.

– Viu! – Sorri – Minha professora particular, Isabella Swan.

– Isso só pode ser brincadeira – Jacob resmungou.

– Claro que não. – Aro alisou o braço de Bella, que encarava Jacob com a testa franzida. – Fui eu quem a indiquei para Esme.

Certo, eu nunca pensei que diria isso, mas amo meu diretor.

– Então, qual é o problema? – Bella desviou os olhos de Black e sorriu para mim – Disse que precisava que eu provasse algo.

– Black me acusou de ter colado na prova! – Revirei os olhos – Ele não acreditou quando eu disse que estava fazendo aulas particulares.

– Ok. – Jacob suspirou – Talvez eu tenha me precipitado.

– Edward estudou muito para essa prova. – Bella explicou. – Tenho certeza absoluta que ele não colou. O garoto tem potencial, mas talvez não seja só culpa dele.

Ela lançou um olhar para Jacob.

Tirando a parte do garoto, eu concordava plenamente com ela.

– Você está levando isso para o lado pessoal? – Jacob indagou.

Franzi a testa.

– Ok, aqui não é local para vocês discutirem a relação. – Aro finalizou – Edward vai fazer outra prova amanhã, aqui na minha sala.

– Mas…

– Obrigada Aro. – Bella me cortou. – Foi um prazer revê-lo.

– O prazer foi meu, querida.

Bella saiu da sala e eu a acompanhei.

– Obrigada Bella. – Dei um sorriso fraco.

– Não fiz nada demais. – Ela riu – O mérito foi todo seu, você estudou, você merecia sua nota.

Continuamos caminhando pelo corredor. A curiosidade estava me corroendo.

– Conhece Black?

– Sim, fiz faculdade com ele.

Foi apenas isso o que ela respondeu.

Reprimi a vontade de perguntar mais.

– Ei Bella! – Jacob correu até nós e a segurou pelo braço – Não acha que precisamos conversar?

– Eu e você não temos mais nada para conversar. – Ela puxou o braço – Vamos Edward.

Enquanto Bella caminhava, eu me virei para dar a língua para Jacob. Pois é, todo mundo tem atitudes infantis.

Segui Bella até a saída do prédio.

– Te vejo mais tarde. – Beijei sua bochecha.

– Sim. – Ela sorriu mordendo os lábios. – Não se meta mais em confusões.

– Como a senhorita quiser.

Fiquei ali olhando ela descer as escadas e virar em direção ao estacionamento.

Cocei a cabeça um pouco frustrado. De onde Bella conhecia Jacob? O que eles tinham que conversar?

Ainda emburrado, voltei para a sala de aula.

[…]

– Está entendendo?

Desviei os olhos de seu decote e a encarei.

– Claro, porque não estaria?

Bella rolou os olhos e gemeu frustrada.

– Porque você está olhando para meu decote! – Ela bateu com a apostila em meu braço.

– A culpa é sua! – Me defendi – Com tanta roupa nesse mundo, você tinha que vir com essa? Não posso controlar meus hormônios.

Bella apoiou a testa na mesa e resmungou algo baixinho.

– Você prometeu que iria se comportar enquanto estivéssemos em horário de aula.

– E eu estou, não estou? – Ri – Não te toquei, nem te beijei.

Ela mordeu os lábios e assentiu. Voltamos a fazer o que estávamos fazendo, mas dessa vez me concentrei no que ela falava. Seus lábios rosados roçavam e os mordia quando ela tentava achar palavras para me explicar de uma maneira mais pratica.

Olhei para o relógio na parede e sorri. Empurrei os cadernos para o lado e me joguei, encima de Bella, claro.

– Não, Edward! – Ela me empurrou. – Você está quebrando as regras!

– Não, a aula já acabou há 1 minuto. – Voltei a beijá-la.

– Seu… – Bella apoiou a mão no meu peito e me empurrou – Irresponsável! Seus pais podem chegar.

Torci os lábios.

– Novamente a culpa é sua. – Me ajeitei na cadeira – Quem manda ter uma boca gostosa?!

Seus olhos rolavam.

– Bom, já que a aula acabou, estou indo.

– Se eu pedir para você ficar, você fica?

– Não.

Suspirei. Bella começou a juntar suas coisas rindo.

– Droga.

– Está ficando muito mal acostumado, garoto. – Ela pegou sua bolsa.

– Eu gosto de ser mal acostumado. – Me levantei seguindo-a até a porta, mas antes de abri-la, prensei-a contra a madeira e esmaguei meus lábios contra os seus – Posso ir à sua casa?

– Claro. – Ela gemeu, quando meus lábios desceram para seu pescoço.

Revirei os olhos e refiz minha pergunta.

– Posso passar a noite com você?

– Não é uma boa idéia. – Ela negou – Deixe para outro dia.

Fiz bico. Ela riu.

– Ok, mas vou cobrar. – Me afastei dela e franzi a testa, lembrando-me de algo que tinha que dizer a ela – Bella, ontem, quando fui à sua casa antes do almoço, nós não… nós não usamos camisinha.

– Fique tranquilo. – Ela deu de ombros – Eu tomo anticoncepcional e não tenho doença alguma.

– Eu também não. – Respondi rapidamente – Sou limpo. [N/B: Que susto! Achei que o Ed ia dizer que também toma anticoncepcional..]

– Ok. – Ela beijou meu queixo – Preciso ir.

– Tudo bem. – Abri a porta para ela passar. Desci as escadas e a acompanhei até a porta de seu carro. – Quer sair comigo amanhã?

– Para onde? – Bella colocou sua bolsa dentro do carro.

– Isso eu ainda não decidi.

– Como vou sair sem saber o que vestir?

– Você fica linda de qualquer maneira. – Toquei sua bochecha. – Passo na sua casa às 20h.

– Certo. – Bella olhou sobre meu ombro e prendeu o riso. – Olha aquilo.

Virei-me para ver o que era.

Drake corria por trás dos arbustos com uma bóia na cintura.

– Drake? – Eu o chamei. Ele parou e me olhou – Vai nadar a essas horas?

O garoto travou o maxilar e me deu o dedo do meio.

– Uau. – Bella riu – O que você fez a ele?

– Nada. – Dei de ombros.

– Nada?! – O garoto saiu de trás do arbusto e parou na minha frente – Eu te odeio, treinador Cullen!

– Como pode odiar alguém que nada te fez?

– Por sua culpa, to peladão!

Observei melhor seu corpo, notei que a bóia tampava sua parte intima.

– Eu tenho culpa de você ser retardado? – Abri os braços incrédulo.

– Edward! – Bella socou meu ombro e se agachou na altura do pirralho – Não fale assim com o garoto ele deve ter um motivo para isso, não tem, meu lindo?

– Sim. – O menino me lançou um olhar mortal. – Ele me mandou parar de usar cueca.

– Ele o quê? – O queixo de Bella caiu – Você o mandou fazer isso, Edward?

– Eu disse para ele exatamente isso. Mas não falei para parar de usar shorts.

– E eu não parei! – Drake ajeitou a bóia na cintura – Eles arrancaram de mim e penduraram encima da trave. Juro que vou meter um tiro na cabeça deles.

Bella se levantou e me olhou assustada.

– Acho que isso não é uma idéia coerente. – Toquei o ombro do garoto.

– Um garoto tão lindo como você falando coisas como essa… – Bella lamentou.

– Me desculpa. – Drake riu – Foi só modo de falar. Eu não tenho arma… – Bella e eu suspiramos aliviados – Mas meu pai tem.

– Certo, acho que já está ficando frio, Edward irá te levar embora.

– Não vou, não. – Os dois me encararam – Ok, eu levo.

– Obrigado, moça. – Drake puxou a mão de Bella e a beijou – Você é linda.

– Perdeu a noção do perigo, garoto? – O puxei pela gola da camiseta. – Vamos logo. Tchau, Bella.

– Tchau lindona. – Drake mandou um beijo para Bella.

Tirei a chave do bolso, desliguei o alarme do meu carro – que estava estacionado ali mesmo na rua, atrás do de Bella – e abri a porta para Drake.

– Tchau, garotos. – Bella acenou para nós e entrou no seu carro.

– Puta que me pariu! – O pirralho exclamou assim que assumi o volante. – Sua namorada é muito gostosa.

– Ela não é minha namorada.

– Puta que me pariu de novo! Melhor ainda…

– Cuidado com o vocabulário, garoto.

-… Só um idiota como você pra não dar uns amassos numa mulher como aquela…

– Drake…

– Certo, me esqueci! Você é um idiota.

Revirei os olhos e liguei o carro.

Enquanto Drake continuava a falar, minha mente estava longe, para ser mais especifico, Jacob Black. Eu havia passado a tarde inteira pensando qual relação haveria entre ele e Bella, mas, pela cara que ela o olhou, coisa boa é que não era.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: