Epilogo

I’m Sorry – Epilogo.

POV Edward

 

Bella estava parada na frente do espelho a 10 minutos, vendo se tudo em seu corpo tinha voltado ao normal.

 

– Que saudades de você corpinho… – Ela rodou como uma criança.

 

Fixei meus olhos em suas mãos que escorregavam por suas curvas, inspecionando-as.

 

Bella estava usando um top e uma cueca feminina. Sim, ela estava muito gostosa. E se alisando assim na minha frente…

 

Suspirei frustrado. Fazia quase dois meses que eu não a tocava, desde que Anthony nasceu. Bella e eu ainda estávamos nos acostumando com a nova rotina: Trabalhar e cuidar das crianças. Não que eu esteja reclamando, Anthony e Margareth são tudo para nós, mas eu também preciso de cuidados.

 

Levantei-me da cama para abrir a porta da sacada.

 

A noite estava fria, o vento batia contra as arvores que faziam as folhas voarem. Ao longe uns raios caiam. É, a noite estava feia, não só para mim.

 

Quando voltei para a cama Bella já estava deitada e se cobria com um lençol.

 

– Cansada amor? – Indaguei, entrando de baixo do lençol com ela.

 

– Um pouco… – Moveu-se para meus braços – Foi um dia cansativo no hospital, e quando cheguei à baba se foi, Meg chegou da escola, Anthony acordou… – Ela suspirou. – Apesar de muito cansativa, eu adoro essa rotina.

 

Fiquei com ódio de mim. Bella tão cansada e eu com segundas intenções.

 

– Boa noite amor. – Toquei meus lábios em sua testa.

 

Bella colocou metade de seu corpo sobre o meu e pressionou seus lábios contra o meu. Deslizei minha mão por suas coxas apertando-a contra meu corpo.

 

Quando ela se afastou, gemi, mas mantive seu corpo colado ao meu.

 

Bella pareceu não notar o que eu queria e necessitava. Deitou-se novamente em meu braço e passou uma de suas pernas por cima da minha.

 

– Porque abriu a porta?

 

– Está calor… – Dei de ombros.

 

– Calor?! – Bella perguntou surpresa – Amor, está frio! – Seu corpo tremeu em meus braços.

 

– Se quiser… eu tenho um jeito bem gostoso de fazer você se aquecer… – A apertei em meus braços – Eu não quero te pressionar, mas… – Tirei o lençol de cima do seu corpo e deslizei a ponta dos meus dedos por sua cintura. – Eu estou com tantas saudades… – Segurei sua mão e a trouxe até minha ereção – Olha meu estado.

 

Bella mordeu os lábios um tanto surpresa.

 

– Ai meu Deus!– Ela colocou seu corpo sobre o meu – Como pude deixar meu marido chegar a esse ponto…

 

– Tudo bem amor. – Joguei sua franja para trás – Eu sei que as coisas ainda estão turbulentas, mas é difícil ter você quase nua em minha cama e não estar usufruindo disso, quase não estamos tendo tempo para nós, quando você chega do trabalho eu saiu, quando volto você está dormindo. Não quero que você faça nada só porque eu preciso de você, quero que façamos isso quando você também quiser, para nos amarmos juntos.

 

Bella sorriu e colou seus lábios nos meus. Suas mãos escorregaram por meus braços desnudos.

 

– É claro que eu quero! – Revirou os olhos rindo – Eu só não te ataquei antes porque não tive muito tempo.

 

– Faz amor comigo? – Acariciei suas costas fazendo-a se arrepiar.

 

Seus olhos se fecharam e ela assentiu.

 

– Faço o que você quiser… – Gemeu abocanhando meus lábios.

 

Escorreguei minha mão por suas costas até sua bunda, onde a apertei.

 

Tentei segura-lá quando ela começou a se afastar, mas não consegui.

 

– Amor… – Resmunguei. – Por favor…

 

Ela sorriu. Ajoelhou-se sobre mim e tirou seu top deixando seus belos e perfeitos seios expostos.

 

Toquei sua barriga e corri minha mão para o cós de sua calcinha. Quando estava prestes a puxá-la Bella se distanciou novamente.

 

Eu já estava pronto para reclamar, porém, seu corpo moldou-se sobre o meu enquanto nossos lábios se encontravam.

 

Giramos pela cama, invertendo nossas posições.

 

Escorreguei meu polegar pelo seu seio e os apalpei delicadamente.

 

– Hm… – Ela gemeu. Afastei-me para olhá-la nos olhos.

 

Suas mãos agarraram meus cabelos, forçando-me a inclinar a cabeça em sua direção. Bella começou a, morder, lamber e sugar o lóbulo de minha orelha.

 

– Vem amor… – Ela implorou abrindo mais as pernas, convidando-me para entrar.

 

– Oh sim, eu vou, mas antes quero sentir o gosto de cada parte de sua pele.

 

E assim eu fiz.

 

Minha língua deslizou por seus ombros. Bella gemia sob mim, esfregando uma perna na outra, como se aquilo fosse aliviá-la.

 

Suas mãos deixaram meus cabelos e arrastaram por minhas costas.

 

– Eu te quero… agora.

 

– Sim princesa.

 

Escorreguei por seu corpo, parando entre suas pernas.

 

Segurei o cós de sua calcinha. Quando estava pronto para puxá-la, Bella fechou as pernas.

 

– Você ouviu isso? – Indagou.

 

– Não, não estou ouvindo nada, você também não. Agora vamos continuar.

 

A puxei para meu colo, abocanhando seus lábios fervorosamente.

 

– Pai… mãe…

Bella me empurrou.

 

– Sim, eu ouvi isso. – Me joguei para o lado, frustrado.

 

– Meg? – Bella saiu do meu colo.

 

– Eu!.

 

Fiz minha melhor cara de cão carente, Bella riu.

 

– Algum problema querida? – Indaguei.

 

– Anthony está chorando, vocês não estão ouvindo?

 

Bella levantou-se da cama, colocou uma camisa minha que estava sobre o sofá e voltou à cama, beijando-me.

 

– Podemos terminar isso mais tarde? – Sua mão deslizou pelo meu peito.

 

– Sem duvida. – Mordi sua boca – Traga nosso garoto para cá.

 

– Certo.

 

Bella levantou-se da cama, dei-lhe um tapa na bunda.

 

 

POV Bella

 

 

Depois de Edward entrar no banheiro, abri a porta, dando de cara com Meg que estava encostada contra a parede.

 

– Obrigada querida. – Inclinei-me para tocar seus cabelos – Eu estava tão… absorta que nem ouvi – Ela sorriu. Um raio clareou o corredor, e logo depois veio o som do trovão.

 

Meg deu um pulo e me abraçou.

 

– Merda! – Ela resmungou.

 

Eu ri.

 

– Deite lá na cama, Edward está no banheiro e já vem, eu vou pegar Anthony.

 

– Ta.

 

Margareth correu em direção a minha cama e se deitou lá.

 

Agora que Edward não estava me tocando – tirando todos os meus sentidos –, eu podia ouvir o choro do meu bebê.

 

Abri a porta de seu quarto – que ainda era na frente do meu –, e caminhei até o berço.

 

– Oi meu bebê… – O tirei do berço. E comecei a niná-lo.

 

Anthony havia crescido muito em dois meses, e estava lindo como o pai.

 

Voltei para o quarto com meu pequeno em meus braços. Edward e Meg discutiam na cama.

 

– Está com medo sim! – Meu marido riu.

 

– Não estou não! – Margareth cruzou os braços.

 

– Está sim!

 

– To não!

 

– Ta sim!

 

– Shhh! – Censurei os dois. – Parem de brigar.

 

– Ele começou! – Meg acusou.

 

Edward riu a puxando para seus braços.

 

– Mas você está com medo.

 

– Certo… eu to.

 

– Do que?

 

– Do curupira.

 

– Hein?

 

Deitei Anthony ao lado de Meg e me deitei na beira da cama.

 

– O que é isso? – Indaguei curiosa.

 

– É um cavalo sem cabeça que tem as patas para trás e em noite de lua-cheia ele sai do rio amazonas para seduzir as mulheres ou amarrar o rabo dos cavalos.

 

Franzi a testa.

 

– Quem te contou isso?

 

– A caah.

 

– Pudera! – Edward bufou – Não acredite naquela lá. Ela e a prima são doidas.

 

Ri. Voltei minha atenção ao meu amor.

 

– O bebê da mamãe está com fome, é? – Ajeitei Anthony para mais perto de mim e dei meu seio a ele.

 

A sensação de ser mãe era a melhor, saber que meu filho necessita de mim para tudo fazia com que eu me sentisse poderosa.

 

– Durma bem meu filho – Edward murmurou apoiando-se em um de seus braços e se inclinando para colar os lábios na testa de Anthony. Depois sorriu para Meg e beijou sua bochecha. – Você também minha filha.

 

– E a mamãe? – Mordi os lábios – Não ganho um beijo de boa noite?!

 

– Claro que você ganha um beijo… – Edward sugou meus lábios – Mas não de boa noite.

 

Sorri contra sua boca.

 

– Fique com Deus, pequena. – Acariciei os cabelos de Meg.

 

– Vocês também… – Ela sorriu.

 

– Família toda reunida! – Brinquei, tocando a cintura de Anthony que sugava meu seio, mas seus olhos azuis estavam fixos em mim.

 

Um latido ecoou pelo corredor.

 

– Amor, como foi se esquecer do outro membro da família?!

 

– Edward nem pense em por esse cachorro aqui!

 

Meu marido riu, levantou-se da cama e abriu a porta para que Bob entrasse no quarto e pulasse na beira da cama.

 

– Bob! – Meg riu quando o cachorro lambeu seus pés.

 

– Edward! – Eu o repreendi – Anthony está aqui, tire esse cachorro dali!

 

– Amor, ele é limpinho, não é Bob? – De resposta o cão latiu. Bob deitou e apoiou a cabeça em minha panturrilha. – Certo, é melhor você dormir no sofá. – Edward pegou o cachorro no colo e o deitou no sofá. – Nada de ralhar na minha mulher.

 

Revirei os olhos rindo.

 

Meu marido fechou a porta da sacada e voltou para a cama deitando-se ao lado de Meg e puxando o edredom sobre nós quatro.

 

[…]

 

 

POV Edward

 

 

Virei-me no sofá frustrado.

 

É… Bella dormiu.

 

Peguei o controle e comecei a mudar os canais, mas parecia que alguém lá encima estava querendo me castigar, quase todos os canais estavam passando filmes pornôs.

 

Onde estavam os programas educativos?

 

Tudo bem que já se passavam das duas e meia da madrugada, mas há crianças que acordam de madrugada. Eu mesmo, quando era menor acordava de madrugada.

 

Desliguei a TV e me virei para o canto.

 

Quando a esperança de uma noite de amor já estava morrendo…

 

– Edward?

 

Abri os olhos e me sentei no sofá.

 

– Bella? Pensei que estivesse dormindo.

 

Minha mulher pulou os últimos degraus e sorriu para mim.

 

– Legal, posso pular novamente. – Ela riu, vindo em minha direção – Porque não me acordou?

 

– Você estava linda demais… – Dei de ombros puxando-a para meu colo. – Não tive coragem.

 

Ela passou suas mãos por meus cabelos.

 

– Mas agora eu estou acordada.

 

Escorreguei minhas mãos para dentro da minha camisa que ela usava.

 

– Eu também estou muito acordado.

 

Bella riu e apertou seu quadril contra o meu.

 

– Eu sei, estou sentindo. – Ela mordeu meu queixo e desceu sua mão por meu peito. – Estou com saudades de você meu gostoso.

 

Enterrei meu rosto em seu pescoço, aspirando seu cheiro delicioso.

 

– Não tanto quanto eu. – Afastei-me e comecei a abrir os botões da minha camisa que ela usava. – Não sou forte o suficiente para te levar ao nosso quarto… – Tirei a camisa de seu corpo. – As crianças estão lá, sem duvida vai demorar muito para colocá-los em seus quartos. – Colei meus lábios em seu pescoço e desci para seu busto, chupando seu seio esquerdo – Eu não estou em condições de esperar.

 

– Não espere amor…

 

Bella agarrou meus cabelos, gemendo.

 

A deitei no sofá e moldei meu corpo sobre o seu. Sem pestanejar, retirei sua calcinha. Sai de cima dela e livrei-me de minha roupa.

 

– Eu quero espaço para te amar. – A puxei do sofá e a deitei no tapete.

 

– Amor, tente se controlar… – Ela fechou os olhos e perdeu a fala quando comecei a massagear seu clitóris – As… crianças.

 

– Eu não quero me controlar. – Mordi seu pescoço – Eles estão lá encima, não vão ouvir nada.

 

– Edward…

 

– Shh amor, apenas sinta. – Bella gemeu descontroladamente quando a penetrei com um dedo. – Tão molhada… Tão gostosa.

 

– Ed…

 

– Diga… – Lambi seus lábios. – O que quer princesa?

 

– Você. – Ela apertou os olhos com força – Vem logo.

 

Retirei meu dedo de seu interior, me sentei entre suas pernas e a puxei para meu colo.

 

– Princesa…

 

– Hum?

 

Segurei seu rosto em minhas mãos e mordi sua boca. Seu rosto estava rubro, não de vergonha, mas sim de excitação.

 

– Me perdoa, mas eu não quero ser delicado.

 

Bella sorriu, agarrou meus ombros, ergueu o quadril e deslizou em mim, em um só movimento.

 

Revirei os olhos de prazer.

 

– Não seja… – Gemeu.

 

Segurei seu quadril e a ajudei mover-se.

 

Colei nossos lábios e explorei sua boca com minha língua.

 

Pendi meu corpo para trás, deitando-me no tapete.

 

– Faz tanto tempo que não tenho você sobre mim. – Apertei sua coxa.

 

Bella entendeu. Apoiou suas mãos em meu peito e passou a cavalgar sobre mim.

 

Fechei os olhos e deixei minha mulher nos guiar ao prazer. Não demorou muito para que atingíssemos o clímax. Bells se desencaixou de mim e caiu sobre meu peito.

 

Ficamos abraçados, apreciando o contato de nossas peles.

 

– Amor…?

 

Bella foi a primeira a quebrar o silêncio.

 

– Sim?!

 

Minha mulher tirou o rosto do meu peito e arrastou seu corpo pelo meu até que meus lábios estivessem em alcance dos seus. Suas mãos subiram por meus braços chegando a meus ombros e me apertando.

 

– Me ama mais uma vez? – Implorou.

 

– Só mais uma?

 

Ela riu. E refez a pergunta.

 

– Me ama até não ter mais forças e fôlego?

 

Escorrei minhas mãos por seu corpo.

 

– Sempre.

 

Seu sorriso se ampliou. Girei com ela pelo tapete, onde, nos amamos por mais algumas horas até que eu fiquei sem forças e Bella sem fôlego.

 

Subimos para nosso quarto e tomamos um banho juntos.

 

Bella deitou-se ao lado de Anthony. Olhei para o lugar aonde eu ia me deitar, era tão distante dela.

 

– O que está fazendo? – Indagou ela em um sussurro.

 

Não respondi, apenas puxei Meg até que ela ocupasse o meu lugar. Delicadamente, trouxe Anthony para mais perto de Meg.

 

– Prontinho. – Dei a volta na cama e parei ao lado de Bella – Agora você vai um pouco mais para lá e me deixa dormir juntinho contigo.

 

Minha gostosa sorriu, arrastou-se para o lado e bateu no espaço vago.

 

Deitei-me ao seu lado, virei Bella de costas para mim e a abracei por trás.

 

– Muito melhor… – Ronronou ela, acomodando-se em meus braços.

 

Afundei meu rosto em seus cabelos.

 

– Eu te amo. – Sussurrei.

 

Bella virou-se, enlaçando minha cintura com uma de suas pernas. Deslizei minha mão para suas coxas.

 

– Eu também te amo amor… – Sua mão segurou meu queixo e me puxou em direção aos seus lábios. A ponta de sua língua escorregou para dentro de minha boca, buscando a minha, as duas se encontraram de uma forma lenta e deliciosa. O resmungo de Anthony fez com que Bella e eu nos separássemos. Minha mulher virou-se para o outro lado. – A mamãe também ama você gatinho. – Bella puxou Anthony para mais perto de seu corpo e deu-lhe seu seio.

 

Apoiei-me em meu cotovelo para observá-los.

 

Quem diria que um dia aquela garota ingênua que eu usei em uma aposta seria agora a mulher de minha vida e a mãe dos meus filhos?

 

Pois é, se há cinco anos dissessem isso a mim eu riria e diria que jamais me casaria com uma nerd como Isabella Swan.

 

Mas hoje, posso afirmar que é isso o que eu quero para minha vida, pra sempre.

 

E que nada nem ninguém me separará dela…

 

 

… Da gostosa, minha companheira, confidente, amiga… Minha Bella.

 

 

=== FIM ===

 

N/A:

 

….

 

*Caah volta do banheiro soluçando*

– CABOU!!!

É… I’m sorry acabou, mas…

JA COMECEI O CAP 1 DE DON’T FORGET FOR ME

 

COMENTEM, ESSE É O ULTIMO CAP *-*

OBRIGADA POR ME ATURAREM, AMO TODAS VOCÊS!

o/

P.s: BETA AMO VOCÊ, SEM VOC EU NÃO SERIA NADA AMIGA!

 

  1. sempre amei esse fanfic.to lendo pela terceira vez,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: